sexta-feira, 13 de julho de 2012

Censura: nem pensar!

Leio hoje nos jornais  que Rafael Corrêa está fechando estações de rádio no Equador. O que deseja o mandatário? Escutar apenas opiniões e notícias favoráveis ao seu governo? Perseguir a mídia? Ao que parece o mandatário equatoriano quer mesmo é reprimir vozes contrárias ao seu governo.

Sou contra qualquer tipo de censura. Acredito no livre-arbítrio de cada um e na capacidade humana de optar pelo certo e errado. Quem está no poder e comanda o Estado tem sempre a tendência de ser tornar uma déspota e o caminho para conquistar este objetivo é reprimir e perseguir jornalistas, artistas, opositores e abortar a liberdade de expressão e de opinião.

Censurado.

Alguns líderes (ou melhor "chefes") acreditam na CENSURA como forma de garantir o pensamento único e a obediência total às ordens e diretrizes políticas, culturais e econômicas. Não ter oposição alguma é o sonho dos candidatos à ditadores, o que abre espaço para a tirania absoluta. A história já nos mostrou exemplos inesquecíveis do que homens desse nível podem fazer.

Controlar a liberdade de expressão é o caminho para tentar controlar o modo como pensamos  (graças à natureza indomável do espírito humano, uma missão impossível). Tiranos, ditadores, coronéis e déspostas de todos os naipes e quilates fazem da  repressão e da perseguição aos artistas, aos compositores, poetas, intelectuais e, claro, à imprensa e aos jornalistas seu esporte predileto. Quem pensa diferente, não tem vez nas ditaduras.

Revisitar a história e lembrar do passado, portanto, é valioso caminho para não deixar que novos aventureiros se perpetuem no poder.