domingo, 18 de janeiro de 2009

Design, moda e...política.


A Bravo publicou uma edição especial sobre o melhor do design mundial, objetos que se tornaram mundialmente famosos por suas linhas, seus traços e sua utilidade (ou não) no mundo. Verdadeiro ícones que por suas formas traziam embutidas o conteúdo e a essência das marcas (nossa, viajei?...rs rs). Ou seja, forma & conteúdo numa concretização perfeita. Estão lá, entre outros, a garrafa da Coca-Cola, a caneta Bic - de plástico e tampa azul, o fusquinha da VW (desenhado por Ferdinand Porsche) e o isqueiro Zippo, entre outros.

Como este é um post de comunicação governamental e política, não poderia deixar de publicar aqui outro item que mistura design, marca, meio e mensagem (desculpem os mais entendidos na área de design, se eu estiver escrevendo muita besteira com minhas comparações). A famosa foto do terrorista Che Guevara que tornou-se emblema da moda mundial, estampa de camiseta, tatuagem e sei lá mais o quê, na minha opinião é outra "marca" famosa no mundo.

Com certeza, outro ícone da "esquerda", consumido pelo espírito capitalista...rs. A garotada mais nova, que nem sabe da história do Che, usa e abusa da estampa e da imagem - talvez para passar uma percepção de rebeldia. Os comerciantes agradecem!

Visite e conheça os 100 objetos com design famosos escolhidos pela Bravo:http://bravonline.abril.com.br/conteudo/bravo/materia_410581.shtml

Conheça também a história da foto (aliás, este é um bom tema para um próximo post...a história por trás da imagem):http://www.ils.unc.edu/~michm/Che/korda.html

sábado, 17 de janeiro de 2009

Brascuba Cigarrillos.


Desde 1995, a Souza Cruz, controlada pela British American Tobacco Company, é sócia do Governo de Cuba na Brascuba Cigarillos. Desculpem pela notícia velha, mas eu não sabia (realmente não acompanho este mercado).

Mas é interessante, não? Um dos ícones do "imperalismo yankee" (utilizando vocabulário dos seguidores de Fidel) são sócios do governo cubano na produção e na venda de cigarros.

Veja, no site o Jornal Valor, a composição acionária desta e de outras empresas apresentada na revista Valor Grandes Grupos de dezembro de 2008: http://208.96.41.18/valoreconomico/home.aspx?pub=19&edicao=7

sábado, 10 de janeiro de 2009

MST. Um branding de esquerda.

O Movimento dos Trabalhadores Sem Terra - MST tem dado muito o que falar nos corredores de empresas, no Congresso (lembram da quebradeira promovida em 2006?), nos jornais...dor de cabeça, mesmo para muita gente.

Mas do ponto de vista da comunicação, a turma é boa. Excelente eu diria. Aprenderam a ideologia com Marx, Mao Tse Tung e Che Guevara – mas embalaram o conteúdo na cartilha de Philip Kotler: sabem atuar nos P´s do marketing. Têm Produto: invasões, ocupações, marchas e passeatas; têm Praça: Brasil rural (em fase de expansão para o a área urbana); têm Preço: aliás, quem banca o movimento?

E têm Promoção. Você já entrou no site deles? Então, comunicador (a) entre agora mesmo para conhecer o que é este movimento que tem prejudicado companhias como Ambev, Vale, Aracruz entre outras.

Repare no projeto de branding: todo mundo, literalmente, veste a camisa (vermelha) em qualquer ação; todo mundo sai de boné na cabeça, bandeira na mão e canta as músicas (jingles) ensaiadas e os bordões da hora (slogans).

Ao visitar o site, vejam seus press releases adjetivados – assim como nas chamadas publicitárias do mercado de consumo. Visitem a lojinha de brindes (para quem quiser sair vestido “no jeito MST de ser”). Encontre desde os tradicionais bonés e camisetas, às bandanas (ultra fashion), anéis, brincos e até a camiseta tipo baby look e o porta passaporte (para os invasores mais globalizados). Quem diria? Realmente, um negócio fantástico! Quanto vale a marca do MST na avaliação das esquerdas? Será que a Interbrand avaliaria? Rs, rs.

Bom, tudo isto que escrevi é só para lembrar que quem não faz comunicação de maneira integrada e estratégica, com alinhamento com o negócio e aos “valores” da organização está perdendo a batalha pelos corações e mentes do cliente, do eleitor, do cidadão, do empregado.

Até um MST já sabe disso: ao se utilizarem as ferramentas de marketing e comunicação, aprenderam a alavancar suas ações, valorizar sua marca e a motivar e engajar seus colaboradores na conquista mais e melhores resultados e na realização da sua missão.

sábado, 3 de janeiro de 2009

Balanço.

Já está disponível o Balanço 2008 do Senado Federal em formato revista.

Trecho:"Democracia sem o equilíbrio dos Poderes é uma temeridade que paira sempre como espada sobre a cabeça da nação. república com a subordinação de qualquer um de seus poderes é simplesmente fraude."

Leia e saiba mais, acessando:
http://www.senado.gov.br/jornal/arquivos_jornal/arquivosPdf/081224.pdf

quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

A marca da Prefeitura - 3.


Depois tem gente que não acredita na importância da comunicação. Eu acredito. Aqui, mais uma estratégia do "branding" político do novo alcaide da cidade do Rio de Janeiro: tudo azul.

Vejam a apresentação oficial dos subprefeitos que trabalharão com Eduardo Paes. Coincidência? Claro que não. Estratégia de comunicação, pra valer. Minha percepção do que a turma quer passar: time integrado, na mesma sintonia. Pura propaganda, mas vamos acompanhar pois é um case que vale a pena - marketing político pesado.